Lipoma

O lipoma é um tumor benigno constituído por células de gordura (células adiposas). Os lipomas costumam crescer no tecido subcutâneo, ou seja, logo abaixo da pele. Porém, apesar de menos comum, também é possível a ocorrência de lipomas mais profundos, que surgem nos músculos, nervos, órgãos internos ou na cavidade abdominal.

O lipoma não é câncer nem tem risco de virar câncer. Na maioria dos casos, o lipoma é totalmente assintomático e não necessita de nenhum tratamento, a não ser que ele seja esteticamente incômodo ou provoque dor.

Neste artigo vamos abordar as causas, os sintomas e as opções de tratamento do lipoma.

O que é o lipoma

Como já referido na introdução deste artigo, os lipomas são tumores benignos, sem risco de transformação maligna, compostos por gordura que se agrupa e forma uma protuberância arredondada por baixo da pele. O lipoma se destaca do restante do tecido gorduroso ao seu redor por ser revestido por uma cápsula fibrosa. Ele é, portanto, uma tumoração de gordura ao redor do tecido gorduroso.

Cerca de 1 a 2% da população tem um ou mais lipomas pelo corpo. Esse tipo de tumor é mais comum nos adultos e no sexo feminino. Na verdade, o lipoma pode surgir em qualquer idade, mas ele é raro em crianças e adolescentes, e se torna mais comum a partir dos 40 anos de idade.

LipomaAinda não sabemos por que o lipoma surge. Como há uma clara tendência familiar para o desenvolvimento deste tumor, imagina-se que exista um forte componente genético na sua formação. Alguns casos de lipoma parecem surgir após um trauma local, mas essa relação ainda não foi comprovado.

Não há uma relação direta entre ter mais gordura e o risco de desenvolver lipomas. Ser obeso, por exemplo, não é um fator de risco. O lipoma é um tumor que ocorre frequentemente em pessoas magras. Locais habitualmente ricos em gordura, como a barriga, nádegas ou as mamas, também não são os pontos mais frequentemente acometidos. Parece haver, porém, um maior risco de surgimento do lipoma quando o indivíduo magro ganha peso subitamente. Esse lipoma, entretanto, não desaparece se o paciente voltar a emagrecer.

A ocorrência de lipomas também está associada a algumas doenças raras, tais como: adipose dolorosa (doença de Dercum), doença de Madelung, síndrome de Cowden ou síndrome de Gardner. Nesses casos é comum o paciente ter vários lipomas pelo corpo.

Sintomas do lipoma

Na imensa maioria dos casos, o lipoma é uma pequena protuberância arredondada que surge por baixo da pele. A maioria dos lipomas mede entre 1 e 3 cm, mas alguns deles podem chegar até mais de 10 cm de diâmetro. À palpação, um lipoma costuma ser uma massa homogênea, com bordas regulares, indolor, mole, com consistência elástica e móvel. Apesar de ser habitualmente indolor, alguns lipomas podem doer.

As características descritas acima ajudam a distinguir um lipoma de um tumor maligno, como o lipossarcoma. Tumores malignos costumam se apresentar como uma massa endurecida, pouco móvel, dolorosa à palpação e com bordas irregulares. O ritmo de crescimento do lipoma costuma ser bem lento, ao longo de anos, ao contrário dos tumores malignos, que, geralmente, crescem de forma mais rápida.

Ombros, pescoço, tronco e braços são os locais mais frequentemente acometidos pelo lipoma. Todavia, qualquer local do corpo onde exista gordura subcutânea pode desenvolver um lipoma.

Diagnóstico do lipoma

Na imensa maioria das vezes, apenas a palpação da tumoração é suficiente para definir que a lesão é um lipoma. Se, entretanto, a massa for dura, pouco móvel, dolorosa, ou se ela tiver qualquer outra característica incomum ao lipoma, o médico pode solicitar uma ultrassonografia ou uma biópsia da lesão para ter certeza que aquilo é uma tumoração benigna.

o principal diagnóstico diferencial é com o lipossarcoma, um tumor maligno que se origina das células gordurosas (leia: O QUE É UM CÂNCER?).

Tratamento do lipoma

Como o lipoma costuma ser uma massa pequena e indolor, ele não precisa de tratamento na grande maioria dos casos. Lipomas pequenos podem desaparecer espontaneamente, mas o que ocorre mais frequentemente é um lipoma permanecer “quieto” e inalterado durante anos.

Nos raros casos em que o lipoma cresce demais, dói ou se localizada em pontos esteticamente indesejáveis, como na face, por exemplo, a cirurgia para remoção do mesmo é uma opção. O procedimento costuma ser simples e rápido, podendo ser feito apenas com anestesia local (leia: TIPOS DE ANESTESIA). A lipossucção é outra alternativa de tratamento.

Em geral, o lipoma retirado não costuma recorrer.

Compartilhe
Médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (U.F.R.J) em 2002. Especialista em Medicina Interna e Nefrologia. Títulos reconhecidos pela Faculdade do Porto, Ordem dos Médicos de Portugal e Colégio de Nefrologia Português.